Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Sweetener

Ser feliz com adoçante!

Sweetener

Ser feliz com adoçante!

29
Jan16

E depois há colegas assim...

Nas últimas semanas, tenho sentido que todos os passos que dou na empresa, estão a ser observados com mil olhos. Talvez porque esteja na minha vez de ser avaliada como funcionária, ou simplesmente porque lhes apetece.

 

Recentemente, num dia como qualquer outro, em que fiz o turno da noite, deparei-me com uma colega que se demitia. Não disse as razões mas a verdade é que gerou alvoroço nas outras que ficaram. Com uma loja que precisava das pontas seguras, o patrão, olhou para mim e não sei lá porque alminha, decretou-me responsável de loja. Assim, sem saber nada, sem me explicar nada, e saiu. Tinha começado a fazer caixa no dia anterior. Ainda mal sabia fazer pagamentos, quanto mais segurar uma loja.

 

Mas lá se fez, não foi nada do outro mundo. Até recebi um elogio da patroa (Milagres!), quando viu através das câmaras, com toda a certeza, que eu estava um bocadinho em pânico com toda a responsabilidade que me passaram para cima. Ou por bom, ou por mau trabalho, a verdade é que tenho ficado pela minha cidade, o que em certo ponto, é melhor para mim.

 

Se ainda não vos disse, ali trabalha-se por objetivos. Não ganhamos à comissão, mas são apontadas todas a vendas de cada funcionária, para provar, num conjunto de dias se somos boas vendedoras, ou se deixamos os clientes servirem-se sozinhos.

 

Já estava a trabalhar há duas horas e ainda não tinha entrado dinheiro em caixa. Entrei em pânico, porque já sabia que, mais cedo ou mais tarde, iria receber um telefonema lá de cima a chamar-me à atenção. E quando constato que a colega da loja ao lado, estava a trabalhar bem, passei-me ainda mais. Ia ouvir pela certa.

 

Disse-lhe, num misto de emoções...

 

- Estou a fritar a pipoca Andreia, ainda não vendi nada!

- Colega, não frites as pipocas porque estás na tua hora de trabalho, não podes comer!

 

Isto tudo, só para chegar aqui. Há colegas que com coisas tão parvas, sabe-lá porque, conseguem dar ânimo. E a verdade é que depois, o dia acabou a correu bem. 

 

01
Nov15

Atualizações

Na sexta feira disse-vos 'até logo', porque esperava contar-vos tudo e não cumpri. Por isso, hoje, tentando ser breve, passo a dizer como foi a tal entrevista.

 

Dirigi-me à loja, consegui estar lá cerca de dez minutos antes da hora marcada. Umas quinze pessoas, percebi depois, para o mesmo. 'Vou-me já embora', pensei, 'Oh, não sejas parva, espera e logo se vê'. As entrevistas estavam marcadas para as duas horas. Começaram às quatro e um quarto. Sim, às quatro e um quarto! Duas horas e meia depois! Sou muito pontual e por isso, acho que estou constantemente a querer cobrar isso aos outros (apesar de estarmos a falar de um assunto completamente diferente, não fazia ideia que poderia ser tão demorado ir ao raio de uma entrevista de emprego).

 

A entrevista em si, acho que não correu mal nem bem. É verdade, não me preparei minimamente, nem esperava ser chamada para uma 'entrevista'. Num questionário, para responder e entregar, havia uma pergunta à qual eu fiquei em dúvida. 'Disponibilidade para trabalhar em todas as nossas lojas'. Respondo que sim, sem ter qualquer ideia dos locais onde tinham lojas. Primeiro erro. Depois, senti que o facto de ter quase zero de experiência, não me ia favorecer nada, como sempre. Tenho carta de condução, uma vantagem. Não tenho carro próprio, uma desvantagem. 

 

Disseram que se, em 24 horas não fosse contactada, era porque ficou sem efeito. Ok, tudo bem. Voltei à minha vidinha e fui preparar mais currículos para entregar. Por volta das vinte horas, eu sossegada a jantar, recebo um telefonema:

 

- Boa noite, estou a falar com a Nadine?

- Sim...

- Ah, sou a colega X, era para dizer que amanhã vens comigo para a loja.

- Como assim?

- Ainda não sabes? Foste seleccionada, amanhã vens comigo. Vou buscar-te... (blá blá blá).

 

E assim foi. Ontem, já fui trabalhar. Tenho uma dor de pés inimaginável. As pernas, ou melhor, os músculos, coitadinhos... Falta de hábito. E assim, ao que parece, arranjei trabalho. Acho que fui A seleccionada. Sou vendedora de uma sapataria.