Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Sweetener

Ser feliz com adoçante!

Sweetener

Ser feliz com adoçante!

31
Mai17

O porquê das coisas

O post de hoje foi escrito com um pesar enorme, para além de uma grande dose de reflexão.

 

Ontem, na minha visita habitual por blogues alheios, encontrei um post que me deixou muito reflexiva. O título despertou-me a curiosidade, mas sendo quem era, nunca pensei que o mesmo fosse o conteúdo do post. Uma das pessoas que sigo com maior regularidade decidiu fechar o blog. Por falta de tempo, segundo ela, falta de conteúdos interessantes, optou por tomar essa decisão. Deixou-me triste, não minto, apesar de conseguir compreendê-la na perfeição...

 

A maioria das pessoas que decide criar um blog é por este ser um certo escape. Uma forma de desanuviar da vida real, do stress e da rotina. Uma forma de conhecer pessoas de um outro meio, todas elas reais também, mas com um certo secretismo que dá piada à coisa. Pessoas que não nos conhecem no dia-a-dia, pessoas que são imparciais e a quem podemos contar aquelas pequenas coisas que não dizemos a outros, e que aqui, não nos denunciam. Pessoas que nos acalmam quando é preciso, que mostram o outro lado da coisa, diferentes pontos de vista. 

 

E isso faz-me chegar ao ponto chave. 

 

Um blog não é algo que tenha retorno imediato. Pelo menos o meu não teve. Porquê? Provavelmente porque eu não me dediquei a ele como devia. Porque publicava de mês a mês, porque não respondia a horas a quem aqui vinha, porque não visitava outros blogues, porque não me dava a conhecer. Em dois anos de Sweetener, posso dizer que estive aqui talvez nem meio ano. A atenção diária, deu-se quando estive em Londres. Recomeçou agora, depois de ter ido até à outra ponta da Europa. Felizmente, consegui manter. Talvez por estar desempregada de momento, talvez porque comecei a ver que existem pessoas desse lado, que em vez de lerem apenas, falam comigo. E esse retorno tem sido tão bom, que me tem feito ficar. 

 

Mas isso faz me pensar... E quando a minhas condições de vida mudarem? Será que mudarei igualmente com vós? Será que o tempo se tornará tão escasso e precioso que não me permita vir até cá e dizer, nem que seja só um olá? E mesmo que tenha tempo para isso, será que vale a pena manter um blog quando só se vem cá dizer que se está vivo, mesmo sem conteúdo?

 

Por isso digo, que a compreendo. E compreendo tão bem. Há dias em que a inspiração é tanta, que até me sinto mal por vos dar trabalho em vir-me ler e falar. Não penso em abandonar o blog, não, claro que não. Mas tenho receio de entrar nessa espiral e de sentir a mesma necessidade...

 

Que a inspiração e a vontade venham, e que venham com força. Muitos de nós usam 'isto' como escape, e é um escape tão bom como outro qualquer. Que a sinceridade prevaleça acima de tudo, que sejamos sempre honestos e que saibamos quando chega a altura certa de parar. 

 

Boa quarta-feira blogueiros, mantenham-se por aí 

 

04
Mai17

Ocupar os tempos livres

Tempo livre é coisa que não me tem faltado ultimamente. Por opção, decidi quando regressei a Portugal fazer uma pequena pausa no meio laboral e aproveitar, já que o Doce se encontra também desempregado, para passarmos mais tempo de qualidade juntos. O prazo inicial por mim estipulado foram os dois meses, e como tal, as férias estão quase a acabar e está quase na altura de me fazer à vida e começar a procura de trabalho, porque o dinheiro não dura sempre!

 

No entretanto, também para aproveitar os dias livres, despoletei antigas paixões e tentei mudar alguns hábitos de sedentarismo. Tenho ido caminhar e tenho também, pintado. Pois é, voltei às pinturas. Voltei a pegar nas ferramentas que o meu extremamente útil curso de artes visuais me deu (só que não) e tenho ocupado grande parte do meu tempo assim.

 

No 12º ano foi o ano em que inseriram no nosso leque de técnicas a pintura a óleo. Aprendemos as coisas básicas de como utilizar e misturar cores, a junção de água rás ou terbentina e mesmo o próprio óleo, que não só ajuda a manter as cores fixas numa tela, como lhes dá uma maior durabilidade. Nessa mesma altura comecei um quadro. Claro que, não consegui termina-lo durante o ano letivo, tendo ficado com ele em casa, arrumado a um canto.

 

Já lhe tinha deitado o olho imensas vezes mas a danada da minha preguiça era o costume. Porque ao pegar no quadro, tinha que começar a passar um bom tempo nele. Não compensa a preparação das tintas de óleo se não se for pintar no mínimo dos mínimos duas-três horas.

 

E muito raramente, uma vez por semana se tanto, lá passo uma tarde inteira de volta da minha obra prima. Uma boa forma de não enferrujar, e uma excelente forma de passar tempo! 

 

Desse lado, alguém é da área das artes? Já experimentaram pintar a óleo?