Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Sweetener

Ser feliz com adoçante!

Sweetener

Ser feliz com adoçante!

31
Mai17

O porquê das coisas

O post de hoje foi escrito com um pesar enorme, para além de uma grande dose de reflexão.

 

Ontem, na minha visita habitual por blogues alheios, encontrei um post que me deixou muito reflexiva. O título despertou-me a curiosidade, mas sendo quem era, nunca pensei que o mesmo fosse o conteúdo do post. Uma das pessoas que sigo com maior regularidade decidiu fechar o blog. Por falta de tempo, segundo ela, falta de conteúdos interessantes, optou por tomar essa decisão. Deixou-me triste, não minto, apesar de conseguir compreendê-la na perfeição...

 

A maioria das pessoas que decide criar um blog é por este ser um certo escape. Uma forma de desanuviar da vida real, do stress e da rotina. Uma forma de conhecer pessoas de um outro meio, todas elas reais também, mas com um certo secretismo que dá piada à coisa. Pessoas que não nos conhecem no dia-a-dia, pessoas que são imparciais e a quem podemos contar aquelas pequenas coisas que não dizemos a outros, e que aqui, não nos denunciam. Pessoas que nos acalmam quando é preciso, que mostram o outro lado da coisa, diferentes pontos de vista. 

 

E isso faz-me chegar ao ponto chave. 

 

Um blog não é algo que tenha retorno imediato. Pelo menos o meu não teve. Porquê? Provavelmente porque eu não me dediquei a ele como devia. Porque publicava de mês a mês, porque não respondia a horas a quem aqui vinha, porque não visitava outros blogues, porque não me dava a conhecer. Em dois anos de Sweetener, posso dizer que estive aqui talvez nem meio ano. A atenção diária, deu-se quando estive em Londres. Recomeçou agora, depois de ter ido até à outra ponta da Europa. Felizmente, consegui manter. Talvez por estar desempregada de momento, talvez porque comecei a ver que existem pessoas desse lado, que em vez de lerem apenas, falam comigo. E esse retorno tem sido tão bom, que me tem feito ficar. 

 

Mas isso faz me pensar... E quando a minhas condições de vida mudarem? Será que mudarei igualmente com vós? Será que o tempo se tornará tão escasso e precioso que não me permita vir até cá e dizer, nem que seja só um olá? E mesmo que tenha tempo para isso, será que vale a pena manter um blog quando só se vem cá dizer que se está vivo, mesmo sem conteúdo?

 

Por isso digo, que a compreendo. E compreendo tão bem. Há dias em que a inspiração é tanta, que até me sinto mal por vos dar trabalho em vir-me ler e falar. Não penso em abandonar o blog, não, claro que não. Mas tenho receio de entrar nessa espiral e de sentir a mesma necessidade...

 

Que a inspiração e a vontade venham, e que venham com força. Muitos de nós usam 'isto' como escape, e é um escape tão bom como outro qualquer. Que a sinceridade prevaleça acima de tudo, que sejamos sempre honestos e que saibamos quando chega a altura certa de parar. 

 

Boa quarta-feira blogueiros, mantenham-se por aí 

 

04
Mai17

Ocupar os tempos livres

Tempo livre é coisa que não me tem faltado ultimamente. Por opção, decidi quando regressei a Portugal fazer uma pequena pausa no meio laboral e aproveitar, já que o Doce se encontra também desempregado, para passarmos mais tempo de qualidade juntos. O prazo inicial por mim estipulado foram os dois meses, e como tal, as férias estão quase a acabar e está quase na altura de me fazer à vida e começar a procura de trabalho, porque o dinheiro não dura sempre!

 

No entretanto, também para aproveitar os dias livres, despoletei antigas paixões e tentei mudar alguns hábitos de sedentarismo. Tenho ido caminhar e tenho também, pintado. Pois é, voltei às pinturas. Voltei a pegar nas ferramentas que o meu extremamente útil curso de artes visuais me deu (só que não) e tenho ocupado grande parte do meu tempo assim.

 

No 12º ano foi o ano em que inseriram no nosso leque de técnicas a pintura a óleo. Aprendemos as coisas básicas de como utilizar e misturar cores, a junção de água rás ou terbentina e mesmo o próprio óleo, que não só ajuda a manter as cores fixas numa tela, como lhes dá uma maior durabilidade. Nessa mesma altura comecei um quadro. Claro que, não consegui termina-lo durante o ano letivo, tendo ficado com ele em casa, arrumado a um canto.

 

Já lhe tinha deitado o olho imensas vezes mas a danada da minha preguiça era o costume. Porque ao pegar no quadro, tinha que começar a passar um bom tempo nele. Não compensa a preparação das tintas de óleo se não se for pintar no mínimo dos mínimos duas-três horas.

 

E muito raramente, uma vez por semana se tanto, lá passo uma tarde inteira de volta da minha obra prima. Uma boa forma de não enferrujar, e uma excelente forma de passar tempo! 

 

Desse lado, alguém é da área das artes? Já experimentaram pintar a óleo? 

 

21
Abr17

Tratar da roupa

Hoje venho falar-vos de um dos mais banais trabalhos domésticos: a roupa.

 

Desde cedo que vejo a forma como a minha mãe coloca a roupa a lavar, desde separa-la por cores, à forma como a estende e ainda como a arruma. Nada disso me parecia uma tarefa de teor extraordinário, e muito menos uma tarefa difícil até ao dia em que saí e vi outras formas de tratar da roupa. Uau, afinal é preciso ciência. Ou será que é só inteligência...?

 

A minha mãe nunca se sentou comigo e me ensinou a pôr uma máquina a lavar, nem me disse como estender cuecas, meias ou camisolas. Aprendi a ver, e pelos vistos aprendi muito bem.

 

O primeiro processo é o da preparação da roupa. A parte pré-lavagem é mais importante do que aquilo que muita gente possa pensar. É isso que vai ajudar, em muito, a boa lavagem da roupa. Ora, colocar a roupa do direito ou do avesso, vai muito ao critério de cada pessoa. A minha mãe coloca a maioria do avesso porque diz que por dentro é que ela está suja, já eu, acredito que deveria ser do direito, porque foi essa parte que esteve em contacto com o exterior. O primeiro pau de dois bicos, portanto. Mas acho que temos as duas razão, tendo em consideração que aqui em casa, ninguém tem trabalhos muito sujos e que a roupa está 'limpa'. A questão aqui é... Ou de um lado ou do outro, mas nunca uma perna ou uma manga para cada lado! Ou como é isso?!

 

Depois da lavagem, vem o processo de estender. Uma coisa aparentemente tão fácil mas que afinal é imensamente difícil para tanta gente... Há quem sacuda a roupa, quem a endireite pelas costuras (quando é possível), quem deixe as meias direitinhas estando prontas a apanhar, dobrar e arrumar. E depois há quem estenda conforme saiu da máquina, toda enrodilhada, dobrada e mais que dobrada, vincada, torta, com uma perna para cada lado como foi colocada a lavar e etc. 

 

Será que é assim tão difícil de entender que, com pequeninas coisas, aparentes perdas de tempo, se pode poupar imenso trabalho quando à apanha, arrumação e dobragem? Não sou nenhuma mestra das tarefas domésticas. Nada disso, até porque a minha mãe é que põe a roupa a lavar na maioria das vezes. Mas apesar de não me terem ensinado diretamente, é quando confrontados com estas coisas que vemos quem levou a lição bem estudada de casa e quem não.

 

Um dia, um amigo da família disse que avaliava o caráter das pessoas pela forma como estendiam a roupa na rua. Aquilo pareceu-me tão preconceituoso e até ridículo, mas acreditam que hoje lhe dou imensa razão? Porque é, efetivamente verdade. A teoria comprova-se.

 

E vocês? Como estendem a roupa? Bom fim-de-semana! 

 

29
Dez16

...

Estes últimos dias têm sido cheios. Cheios de coisas boas, de trabalho, e de tudo o resto.

 

O Natal passou-se e já lá vai, enquanto esperamos pelo próximo e imaginar tudo o que ainda há de mudar até lá. As prendas já não são o que eram. Criou-se aquela ideia base de que só as crianças gostam de presentes e as circunstâncias também não permitem grandes gastos. São de maior valor os pequenos gestos e que, na maioria das vezes, dizem tão mais.

 

O trabalho tem corrido bem. O staff do restaurante decidiu adoecer todo ao mesmo tempo e entre faltas ou ausências, tenho sido um pouco mais sacrificada. Tirando a falta de tempo, não é nada que não se aguente, quando se faz algo de que até se gosta.

 

O pai tem trazido recordações de todo o tipo. Entre chocolates, episódios da vida e algumas peripécias, estou a gostar muito desta nova proximidade entre nós. Amanhã já é o último dia por Viseu, vai rumar ao Porto, terra da companheira dele e onde vai passar a passagem de ano, tendo em conta que passou o Natal cá. E nos primeiros de Janeiro regressa à Alemanha, país que o mantém, e faz feliz por enquanto.

 

Muito em breve, também farei as minhas resoluções de ano novo.

E entre os banais, algumas novidades fresquinhas