Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Sweetener

Ser feliz com adoçante!

Sweetener

Ser feliz com adoçante!

09
Jun17

O facebook tem coisas boas

Apesar aqui do je não ser grande fã do facebook, e muito menos perder horas a cuscar vida alheia, o mesmo proporcionou-me uma coisa muito muito boa ainda hoje!

 

Há coisa de dois anos, enquanto fazia uma arrumação geral encontrei muitas coisas que os meus pais me deixaram trazer como memória da minha infância. Entre elas, encontrei um livro muito usado naquelas bandas: o livro das amizades. Era uma espécie de caderno onde cada amigo nosso preenchia basicamente todas as informações e gostos pessoais. Servia-me como memória, e voltar a lê-lo serviu-me de alento.

 

lifestyle-freundebuch-L-UhIDM5.jpeg

(imagem ilustrativa do livro que vos falo)

 

Voltando ao tempo cronológico de que falo, encontrei uma daquelas amigas que mais me marcou. Aquela especial que nos acompanha em tudo, mas que no nosso caso, com a mudança de país, acabou por ficar por ali. Trocámos cartas de Portugal para o Luxemburgo durante quase um ano, e só eu me lembro da alegria enorme que era chegar ao correio e ver uma carta dela. 

 

Sabendo que o fb era mundial, decidi pesquisar pelo nome dela na rede e por incrível que seja, encontrei. Mandei-lhe uma mensagem, onde dizia quem era e entre outros, perguntava se se lembrava de mim. Nunca essa mensagem foi respondida... Até hoje!

 

Ligo o computador como todos os dias, para vir até ao sítio onde ultimamente me tenho sentido melhor e eis que o meu e-mail me anuncia que tive resposta! Fiquei em pulgas e fui a correr ver... E não é que, 12 anos depois, ela se lembra de mim?! Estou com aquela sensação de alegria pura que nem podem imaginar!

 

Apesar de não te frequentar muito, obrigada Facebook! 

 

17
Abr17

Também se lembram?

Durante este fim-de-semana, em que se celebrou mais uma Páscoa e onde tudo girou à volta de bolos, chocolates e amêndoas, houve felizmente muitos momentos de convívio. Entre esses, alguns que nos fazem retroceder no tempo e pensar que com pouco se fazia crianças felizes.

 

Joguei isto durante grande parte da minha adolescência e é um jogo que continuo a jogar nos dias de hoje. Quando a vontade não dá para mais, este jogo sempre nos proporciona alguma diversão e sobretudo puxa-nos pelo raciocínio. Estou a falar de quê? Do jogo do STOP.

 

Stop jogo.jpg

(imagem retirada da internet)

 

Sem dúvida o jogo que mais me fez puxar pela cabeça em busca de melhor e novo vocabulário e um, que nunca mas nunca passa de moda! Aquela sensação que temos que pensar imenso e super rápido, o escrever tudo à pressa para termos o prazer de dizer STOP quando os outros ainda completam as folhas, receber 20 pontos de rajada porque os pobres adversários não tiveram tempo para preencher os espaços. Coisas simples, que proporcionam momentos de convívio, gritos de vitória, raiva por falta de memória e um som delicioso a gargalhada.

 

Preço? Uma folha de papel e uma caneta.

 

Parece-vos caro? A mim não!