Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Sweetener

Ser feliz com adoçante!

Sweetener

Ser feliz com adoçante!

20
Set18

Polpa de tomate caseira

Hoje trago-vos uma sugestão que me foi dada há cerca de uma semana. Fiquei curiosa e achei a ideia fantástica! Por isso, meti mãos à obra e fiz a minha própria polpa de tomate

 

Muitas vezes deparamos nos com demasiados tomates no frigorífico (pelo menos quem tem acesso ao campo). Eu não sendo fã, o Doce não consegue dar vazão à coisa enquanto estão bons. A minha mãe, na semana passada, contou-me que a cabeleireira dela lhe havia sugerido uma forma de não estragar os tomates: fazer polpa de tomate caseira. E após trocar impressões, e perceber que é fácil, eis como fazer a vossa polpa de tomate caseira! 

 

Precisam de uma faca, copo medidor, varinha mágica, coador, funil, bacia e sacos p/gelo.

 

41991121_2071060493204662_4357586707994902528_n.jp

 Depois, começam por retirar as partes do tomate que estão a mais.

 

41936421_539014006555980_7296497300954677248_n.jpg

 

Em seguida, trituram tudo com a varinha mágica.

 

42107456_276544486327240_8868880176570695680_n.jpg

 

Para evitar que o preparado leve pele e as sementes do tomate, é preciso coar tudo.

 

42059629_871944666334188_6735075703055712256_n.jpg

 

Depois de pronto, é só encher os sacos de gelo com o preparado.

 

41991925_317084219098567_7193563032406982656_n.jpg

 

E eis que têm polpa de tomate, pronta a usar sempre que necessário! 

 

42147874_285617785623164_8439961012697825280_n.jpg

 

Quem já conhecia este truque? 

 

04
Abr17

Gatos e cães, será boa opção?

Durante o tempo que morava na aldeia com os meus avós, tive dois cães. Foram nossos companheiros até a altura da mudança, quando vim para a cidade e ficámos impossibilitadas de os trazer. Eram cães de aldeia, habituados à rua, a ladrar... Incompatível com um apartamento. Acabámos por entrega-los a uma instituição. Na altura nada diferente podia ter sido feito. 

 

Quando a nossa vida mudou em termos financeiros e a minha mãe conseguiu recuperar a sua independência recebi um gato pelo aniversário. Sempre foi um desejo de criança, nunca antes concretizado não por falta de opções mas porque alguém não autorizava. Já estamos juntos há cinco longos anos, e assim espero continuar pelo menos por outros tantos.

 

Mas a minha mãe nunca recuperou da perda forçada dos nossos cães e continuou sempre a querer um. Tal como um gato era ideia minha, o cão era a ideia dela e ultimamente tem falado nisso com bastante frequência. Apesar de eu e a minha irmã lhe fazermos ver todos os prós e contras ela parece estar absolutamente decidida. Não é que nós não queiramos, claro que gostávamos, mas acho que apesar de tudo, não reunimos as melhores condições para tal. Sei bem que as despesas são para a minha mãe e que é ela que manda. Sei bem que a responsabilidade de passear o cão ou cadela será principalmente dela. O problema no meu ponto de vista é outro, capaz de ultrapassar todos os 'ses' que tenho: o meu bebé, o Blacky. É um macho e sempre foi o único macho da casa. É TUDO dele e todos sabemos que os gatos são super territoriais. Ele recebe imenso carinho, ele tem imensa atenção - atenção essa que não é dividida com ninguém. Ele dorme nas nossas camas. Ele é um verdadeiro mimado. E isto pode correr verdadeiramente mal.

 

A minha questão é: será mesmo boa ideia meter um cão cá em casa?

 

02
Fev17

Viver na Alemanha - a reciclagem

É um tema que sempre me suscitou interesse, porque me considero uma pessoa amiga do ambiente. Sempre fui instruída, tanto em casa como na escola, a fazer a reciclagem e é um hábito que se tornou tão parte da rotina que já nem custa nada!

 

Aqui, salvo exceção à regra, as pessoas fazem a reciclagem. Cada prédio tem o seu local para pôr o lixo, um espaço que é aberto com uma chave que é entregue aquando o aluguer de uma casa. Nesse espaço há os contentores para o lixo geral, para papel, vidro, plástico, pilhas. tudo o que pode haver. É como se, cada prédio, tivesse o seu próprio "centro de lixo". No entanto, paga-se uma taxa obrigatória chamada Nebenkosten - custos adicionais. São custos nomeadamente para a recolha do lixo, limpeza do prédio, praticamente como se fossem as despesas do condomínio.

 

Todas as garrafas de plástico e latas (pelo menos) têm um símbolo que significa retorno. Cada uma dessas, vale 0,25€ se for entregue nos respetivos locais. São emitidos vales, vales esses, que podem ser descontados nas compras e/ou o excedente é nos devolvido em dinheiro. Achei uma ideia fantástica, e que incentiva as pessoas uma vez mais a reciclar!

 

Ontem, pela primeira vez incluí nas minhas compras uma garrafa de sumo. Tinha levado dinheiro à ração e na caixa reparei que paguei qualquer coisa chamada Pfand, num valor correspondente a 0,25€. Fiquei intrigada, mas como não consegui traduzir no imediato, nada disse.

 

Quando cheguei a casa, e questionei o meu pai, ele diz me que é a tara das coisas de plástico que compras e se as devolveres, recebes o dinheiro de volta. Ah, agora já faz sentido! Realmente não percebia porque davam dinheiro só por as pessoas reciclarem! O meu pai só se ria, porque eu ter acreditado que só recebias, como que um agradecimento pelas tuas boas ações! Afinal recebes porque já o pagas-te! Mesmo assim, acho uma boa iniciativa que lá está, obriga as pessoas a reciclar e é se querem o dinheiro de volta. Agora é tudo muito mais claro!