Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Sweetener

Ser feliz com adoçante!

Sweetener

Ser feliz com adoçante!

06
Set17

A saga Mia

Há bem pouco tempo, contei que tivemos a felicidade (?) da chegada de um novo membro cá em casa. Pois bem que, um mês e pouco depois, já podemos enumerar uma lista das coisas que foram totalmente destruídas pela rata adorada Mia. Atenção: eu adoro animais e este texto não quer minimamente dizer que lhe vá fazer mal! É meramente um desabafo para pessoas, que estando de fora, talvez me possam ajudar a dar a volta a este sentimento.

 

Consta que a gata não teve um início de vida fácil. Ok, compreendo e admito que até tenho alguma pena. Mas acho que, tendo ganho um lar, onde toda a gente a trata bem, lhe dá de comer e beber e até tem um 'irmão', não justifica nenhuma das atitudes que ela tem tido até agora.

 

Ninguém a apanha. Passamos o dia inteiro sem sequer a ver, sem saber se já saiu pelo apartamento fora ou se já concretizou a tentativa de fuga/suicídio e se atirou de vez da janela (Sim, já o tentou fazer. Nota: moro num 4º andar, 5º em altura porque há lojas no r/c).

 

Tentativas de aproximação. Falhadas, sempre. São gestos que levam sempre a um uivo e um bufar ameaçador, como se ao conseguir tocar-lhe, alguém a fossem estripar ou algo do género.

 

Destruidora. Volto a frisar que está connosco há um mês. Um mês e o balanço são 6 copos e uma garrafa de moscatel partida, porque achou piada a puxar a toalha com tudo ao chão. Duas molduras com coisas que eu e a minha irmã fizemos em pequenas. Almofadas das cadeiras desfeitas. Uma cortina da cozinha destruída, porque se pendura lá em peso. Duas blusas furadas porque é engraçado brincar com as mangas. Já para não falar que salta às mesas e bancadas da cozinha como se tudo fosse dela. Certamente há mais, mas a memória já me falha.

 

Porca. Sim, é mesmo porca ou até possa ser tarada neste caso. O Blacky quer brincar com ela e dá-lhe uma beijoca na fuça, e ela, sem mais demoras, deita-se de barriga ao ar, escachada até mais não, como quem diz - dá-me a beijoca mas é noutro sítio.

 

E eu ando aqui, com este sentimento negativo de quem pela primeira vez na vida, não gosta de um animal e é obrigada a conviver com ele. E não, não aceito que a idade e os iniciais maus tratos sirvam de desculpa para tudo. O Blacky é um santo! Em seis anos partiu um anjo de barro! Em seis anos, bufou-nos nas vezes em que o obrigamos a entrar na transportadora. Em seis anos, foi uma vez ao armário comer bacalhau! Em seis anos, deixa-nos brincar com ele e responde ao nome como se fosse um cão! Em seis anos, vê-nos a chorar e vem nos aconchegar!

 

Por isso, não aceito. Ela é assim e não é pelo passado. Ela é assim, porque é má por natureza.

 

03
Ago17

O novo membro da família

Há uns meses pedi-vos opinião sobre a vontade que a minha mãe tinha em trazer um cão cá para casa. O principal problema era o já residente, machão Blacky, dono de si próprio, com a mania que manda em tudo quanto é da casa. E depois de muito tempo, a verdade é que ontem, chegou efeticamente um membro novo ao nosso lar, mas não foi um cão... Foi uma gata. 

 

Uma gatinha com pouco mais de dois meses, traçada de persa. Uma gata, que a minha mãe decidiu salvar de maus tratos de uma casa que ela costuma limpar. Atenção que, com maus tratos, não é necessariamente violência física. São para mim maus tratos, nomeadamente, deixar um animal fechado numa varanda, ao sol, sem água, comida ou uma caixa de areia limpa.

 

Depois da ameaça ter sido lançada semanas atrás, tornou-se finalmente real. Temos mais um membro nesta família de mulheres. Uma gata linda, infelizmente com muita falta de amor, carinho e bons tratos mas a partir de agora, tudo vai mudar. Apresento-vos a Mia! 

 

20590810_869312283231941_2037107806_o.jpg

 

O Blacky, tal como seria de esperar, não gostou da surpresa. Será um processo bem demorado e penoso. Esperem, acho que era perigoso que queria dizer. Ontem ao serão houve o primeiro confronto, e não correu nada bem. A determinada altura o residente virou-se à novata, que assustada não se mexeu. Logo em seguida, duas das donas intervieram, e o Sr. gato virou-se a elas. Felizmente não aconteceu nada de maior, mas ficámos verdadeiramente assustadas.

 

E pronto, a guerra está declarada. Só espero que ninguém saia magoado disto