Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Sweetener

Ser feliz com adoçante!

Sweetener

Ser feliz com adoçante!

18
Mai17

Afinal ainda há pessoas honestas

Saí de casa para ir pagar uma fatura, e como não me apeteceu levar carteira, enfiei tudo para os bolsos. Dinheiro e telemóvel de um lado, chaves de casa e lenços do outro. Ia muito sossegada, já com o assunto resolvido, e tirei o telemóvel do bolso porque alguém me estava a ligar.

 

Entretanto, ouço berros...

 

- Oh menina, menina!

 

(Não deve ser para mim, penso eu e continuo na minha)

 

- Oh menina! Não o semeie que ele não nasce!

 

Quando meto as mãos ao bolso e dou conta, o Sr. já está a vir na minha direção, com uma nota de 10€ que eu deixei cair ao chão, aquando a retirada do telemóvel. Provavelmente, só daria conta quando chegasse a casa. Nunca saberia onde, quando nem se de facto os teria perdido!

 

Ainda há pessoas honestas, hã? 

 

06
Abr17

Sobre o IRS

Este ano será o primeiro em que vou colocar o IRS por minha conta. Moro com a minha mãe, mas tive um rendimento anual superior ao permitido para colocarmos em conjunto. Assim, dirigi me à senhora que o costuma fazer e entreguei a minha papelada toda. Não faço a mínima ideia de como preencher o suposto, apesar de saber que cada vez mais há plataformas e ajudas online que tornam tudo prático. Mas como a preguiça foi maior e optei pela opção mais fácil.

 

Foi-me dito que tendo em conta o meu ordenado, não ter filhos nem despesas de habitação, teria que ter despesas para justificar ou pelo menos compensar os ganhos com os gastos e assim reaver o IRS que descontei ao longo do ano. Pedi sempre fatura, sempre com contribuinte. Desde restaurantes, estadias em hotel, roupa, cabeleireiro, farmácia, tudo e mais alguma coisa. 

 

Quando recebi a minha folha de vencimentos da sapataria, fiquei imensamente feliz com o valor que vi que receberia de volta. Tendo em consideração que estaria na Alemanha, ia saber imensamente bem um dinheirinho extra. Meti aquele valor na cabeça e convenci-me que era esse que ia cair na minha conta, cêntimo por cêntimo. Acontece que a contabilista ligou-me a informar que após fazer a simulação, o valor era cerca de um terço.

 

Parou tudo! O QUÊ?! Como assim? Um terço? Por que raio e por alma de quem?

 

Ok, sou nova nestas andanças e não faço a mínima de como as coisas funcionam mas no ano anterior, o valor que constava na minha folha de rendimentos, foi o valor que recebi - certinho e direitinho! Porque é que esta ano é diferente? Por ser um valor maior?

 

É normal ser assim ou a contabilista está me a enganar? 

 

23
Jan17

Serei demasiado maníaca?

Toda a minha vida fui organizada e muito metódica. Sempre me impus limites e objetivos a cumprir, com diferentes tipos de recompensa: estudar e ter boas notas, para não desiludir os meus pais; ser boa filha por um dia esperar receber essa retribuição, o mesmo serve para namorada, irmã, entre tantas outras coisas que agora não me vêm à mente. Gosto de ter tudo planeado, tudo debaixo de rédea curta. Saber que tenho sempre uma margem. Se quiser comprar uns doces, poder. Se quiser ir passear, poder. Se quiser muito aquela peça de roupa, poder. Se quiser não fazer nenhum durante um tempo, poder. Resume-se tudo nisto: fazer para poder. 

 

Sempre organizei o meu dinheiro de forma muito rigorosa, aplicando-me castigos quando deixava o orçamento escorregar por qualquer que fosse o motivo. Verdade seja dita, morava com a minha mãe, o que me permitia uma gerência limpa e clara, e consequentemente uma boa margem de poupança. Tudo a planear o futuro (talvez seja esse mesmo o meu problema). Estou sempre a pensar em longo prazo: quando quiser ir morar sozinha, ou junta, onde vou ter dinheiro para isso? E o casamento, pagar-se-à sozinho? Os filhos, a vida em si, o funeral?! Ok, estou a pensar muito lá longe mas não é verdade que é o que temos mais certo...?

 

Gosto de discutir, de ter divergências de opinião, de confrontos, de pessoas que disponham de temas interessantes, que me dêem luta, vontade de contra argumentar. Tenho aquele vício de achar que tem de ser tudo "à minha maneira". Gosto de ter razão, gosto de ter a última palavra.

 

Serei só demasiado maníaca, ou maníaca pelo controlo...?