Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Sweetener

Ser feliz com adoçante!

Sweetener

Ser feliz com adoçante!

28
Mai18

Estou doente!

Tenho que admitir que andava completamente a leste dos preços dos combustíveis. A última vez que o fiz, atestei e foi coisa que me durou uns bons meses porque morava perto do trabalho e ia a pé. Bem, eis que agora isso mudou ligeiramente e já não dispenso o bolinhas um único dia. A pedir-me comida há dias, e antes que me deixasse a pé lá tive que lhe fazer a vontade.

 

Dirigi-me ao posto de sempre e pedi 40€ de gasolina simples. Normalmente coloco da outra mas agora com esta mudança e até as contas voltarem a entrar nos eixos, tem que ser tudo pelo mínimo. Tudo normal, fui pagar para voltar à minha vida. Quando olho para o talão vejo:

 

24,7 litros - 1,62€/litro.

 

Desculpa?! Então mas estou aqui há eternidades à espera porque quero meter na única bomba com combustível simples que têm e o funcionário mete-me da outra? Oh raio do homem! Até que olho para o lado, à procura do placard... Gasolina simples: 1,62€. Gasolina Aditivada: 1,64€

 

Mas desculpem lá... O povo português ganha assim tão bem? É que eu da última vez que vi o meu recibo de vencimento, os valores não eram nada de especial. Mas que raio?! Qualquer dia custa quê? 2€ o litro? Não acham absurdo estes preços, já? Estou indignadíssima!

 

Ainda nem paguei o carro e já tenho vontade de o vender!

 

 

P.S.: Não tenho nada. Adoro o bolinhas e mesmo com mais despesa, não me vejo a abrir mão dele.

 

09
Abr18

A primeira tatuagem

Leram bem, fiz a minha primeira tatuagem. Assim, sem aviso, sem marcação, sem planeamento.

 

Fiz a primeira tatuagem no meu Bolinhas - e doeu-me tanto!

 

Só me apeteceu chorar, e berrar e chorar outra vez. Tinha acordado super bem disposta, cheia de alegria e vontade de aproveitar a manhã de sol que se fez na sexta feira passada. Arranjei-me, perfumei-me e fui ao centro comercial. Como não ia demorar muito, fui para o subterrâneo (que eu adoro, só por sinal). Quando ia a sair, a fazer uma curva ouvi um som, um raspar ligeiro mas fiquei convencida que tinha batido naqueles pinos de plástico e nem me lembrei mais.

 

Quando deixei o Doce, ele foi ver e disse: Olha, não foi o pino nada, foi mesmo no poste!

 

Eu saí do carro, olhei para a lateral, voltei a entrar no carro, e comecei a missão anti-choro.

 

E o Doce tentou atenuar. Mas viu que não dava. Mandou-me estacionar e disse que ia resolver já o assunto. Ainda a tentar ser bem sucedida na minha missão estacionei e esperei. Pouco depois, apareceu ele com pasta dos dentes e papel higiénico. Nem fiz as minhas exclamações habituais e perguntas estridentes. Deixei-o fazer o que tinha a fazer. Ele esfregou e e plim... Mal se nota.

 

E agora eu: como é que é possível? Pasta dos dentes? Não fazia ideia que a mesma tinha outras utilizações além de me lavar os dentes. Muito menos que o Doce era dotado e sabedor destes remédios e milagres caseiros. E pronto, talvez não tenham visto, mas eu vi muito amor aqui.

 

O que era uma mancha enorme branca e rosa, acabou a ser afinal uma tatuagem pequena 

 

04
Jan18

E já é 2018!

Pois é, e eu nem bom ano vos vim desejar. Sou uma desnaturada! Uma tristeza...

 

Mas acredito que compreendam e me vão desculpar. As ausências não têm sido infundadas, garanto. Acredito no entanto que, agora que já lá vão as festas, vou voltar em peso. É hora de recarregar baterias e fazer com que este ano, seja sempre melhor que o anterior!

 

Pondo em dia o que ficou pendente, o Blacky já está em casa. Teve alta no último do ano e tive assim o privilégio de lhe dar todos os mimos possíveis e imagináveis! A inflamação está tratada e agora está de dieta. Uma dieta daquelas rigorosas, que eu também devia fazer!

 

2017 foi um ano muito positivo. Tentei a emigração e descobri que o caminho não era esse. Percebi que embora haja laços, os sanguíneos nem sempre são os mais fortes. Fui finalmente submetida a cirurgia e o resultado é de louvar. O pós-operatório foi maravilhoso e nada doloroso, e tirando um dia ou outro, passou a correr. Comecei o projeto "Morar juntos 2019" com o Doce e o enxoval está num excelente caminho. Encontrei e tenho um trabalho de sonhos, daquele tipo que nos faz andar alegres e contentes, sem sentirmos o mínimo tipo de obrigação. 

 

Agora a 2018, não vou pedir nada. Não peço porque sou eu quem tem que fazer por conseguir o que quero. Quero acreditar que este ano, vou conseguir. Vou acabar de pagar o carro, vou ver o meu contrato ser renovado e vou ter o corpo que sempre quis. Sê bem vindo 2018!