Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Sweetener

Ser feliz com adoçante!

Sweetener

Ser feliz com adoçante!

27
Jun21

Alinhar o foco

Mais uma vez, voltou a passar demasiado tempo desde o meu último post. Demasiado tempo em que fiz "demasiado" pouco. Aquelas ausências a que, infelizmente, já vos habituei mas que tento (sem sucesso) combater. Até acordo com a vontade, a saudade, tudo aquilo que mantém a chama viva e a vida a funcionar. Chego a escrever neste e naquele pedacinho de papel, no bloco de nota do telemóvel quando tenho uma ideia de texto iluminada. Mas sentar-me, relaxar. Agarrar-me ao teclado e permitir-me ter uma hora em que me dedico a mim e a vocês, não tem acontecido...

 

No meu último post usei como título "Vê-los passar" e é exatamente, nada mais, nada menos do que aquilo que eu tenho feito. Encontrei um estado de apatia, comodismo onde o "deixa andar" é o mote do dia e sem me aperceber, deixei-me envolver por ele mais do que aquilo que gostaria.

 

A rotina, não existe. Ou existe, mas é só aquilo que tem mesmo que ser. Levantar, preparar, fazer o almoço, embalar, sair para trabalhar, regressar, dia sim dia não ir à formação, comer quando a vontade o permite e ir dormir. Toca o despertador and repeat all over again.

 

Dei conta que algo se estava a apoderar de mim e confesso, que deixei. Vai uma semana, vai outra e quando dou por mim, estou tão conformada que não me apetece fazer nada que saia deste loop em que me enfiei. Até a tarefa de ir às compras, sair de casa para caminhar, respirar outros ares me parece demasiado exaustiva para me dar ao trabalho de.

 

Mas há cerca de duas/três semanas que já me estou a irritar. Estou me a irritar a mim própria de maneiras que já nem me lembrava serem possíveis. Critico os outros, que vivem neste estado de comodismo e conformismo e mesmo assim, deixei que me apanhassem na mesma teia. Todos os dias digo que já chega, é hoje que isto pára mas... Não tem parado. 

 

Aborrece-me o facto de estar a deixar o humor dos outros domar o meu. Tenho me deixado influenciar demasiado pelo negativismo de pessoas com quem convivo e, com quem trabalho. Isso tem me criado um estado de "tanto se dá, como se deu" que se está a refletir demasiado na minha vida pessoal e saúde mental. E como tudo o que é demais, enjoa (e já vamos em três meses disto...) marco o meu regresso ao blog para me lembrar que a partir de hoje, acabou!

 

Sim, acabou! Nem que tenha que fazer força para isso! Já chega de ver a vida a passar por mim sem lhe dar cavaco de nada. Respirar fundo e alinhar o foco. Lembrar-me de tudo aquilo que tenho de bom na vida e tudo aquilo por que anseio viver. Mandar a Sweetener "procrastinadeira" tirar umas férias e reencarnar aquela que está sempre de bem com a vida!

 

Tentar, nem que seja uma vez por semana, vir aqui. Ler-vos e deixar-vos ler-me. Escrever, que tanta paz e tranquilidade me traz à alma. Gravar mais um registo de como me senti naquele determinado dia ou semana, para a posterioridade. Aplicar regras do NÃO!

 

NÃO me deixar afetar por negativismo alheio.

NÃO argumentar com aquilo que não vale a pena.

NÃO pensar nem cuidar de pessoas que não cuidam de mim.

NÃO deixar a vida decidir o que quer que seja sem eu ter um dizer.

NÃO me deixar afetar por a minha identidade ter sido novamente descoberta.

E mais importante: NÃO deixar que suguem a minha energia nem tão pouco a minha luz!

 

Todos temos direito a deixar que a vida nos leve por 'segundos' para sítios que não queremos para assim, sabermos realmente onde pretendemos estar e que rumo tomar. Cabe-nos, com ou sem ajuda, saber quanto tempo queremos ficar no limbo até termos a capacidade de nos levantarmos e seguir caminho. O vosso corpo e mente dir-vos-ão, quando essa hora chegar... Alinhem o foco, que eu, finalmente recebi as instruções para alinhar o meu! Bom Domingo 

 

26
Jun17

A Sweetener fica!

Foram praticamente duas semanas, é verdade e peço desculpa por isso. Não planeava que fosse tanto tempo mas não consegui domar a coisa de modo a ser diferente. Tive umas contrariedades de maior e não foi mesmo possível vir até aqui nem até aos vossos cantos individuais.

 

Agora voltei e por isso, vou pegar no tema que deixei em mãos antes destas férias: o anonimato. Infelizmente, e como já terá acontecido a muito boa gente por aí, o meu blog deixou de ser anónimo. Não deixou propriamente, simplesmente há pessoas que não deviam saber da existência dele e sabem. Fiquei verdadeiramente aflita e preocupada com o assunto mas depois de muito ponderar, decidi ficar. Manter tudo conforme está: o blog, o nome e minha maneira de ser, TUDO! Porque um blog é isso mesmo, um reflexo. E se nem aqui sou livre de dizer aquilo que penso, estou muito mal então... Lamento que alguém que saiba quem a Nadine é venha a ler algo que não gosta, lamento que alguém que conhece a Nadine fique a saber de algumas coisas que ela pensa mas que não diz sem ser por escrito, lamento que alguém de quem a Nadine não gosta fique a sabê-lo por aqui... Mas olhem... Temos pena! A Nadine e a Sweetener são a mesma pessoa, uma não existe sem a outra e portanto, este blog vai continuar. Tal e qual como é!

 

Não prometo, no entanto, continuar com assiduidade diária. O que me levou ao afastamento estes dias ainda não está totalmente resolvido, daí este aviso que vos faço. Mas vou fazer um esforço e espero conseguir vir cá pelo menos duas a três vezes por semana contar coisas!

 

Boa semana para todos vós! Vemos-nos por aqui! 

 

12
Jun17

O anonimato do blog

Muitas eram as expetativas criadas e planeadas, rabiscos feitos em possíveis layouts, eventuais textos já redigidos de ante-mão... Tanta, mas tanta dor de cabeça até ter o nome perfeito! Toda a envolvência pré-criação do blog foi ponderada. Muito ponderada. Apesar de não escrever nada de jeito e não querer enveredar pela área da escrita, sempre gostei de escrever. Tive um diário a maior parte da minha vida, mesmo quando me diziam que era do mais infantil que havia. Não precisava de ser um com cadeado. Um caderno com linhas era o suficiente para eu despejar tudo o que sentira ao longo do dia e todas as coisas estúpidas ou maravilhosas que fizera no mesmo.

 

Criar a Sweetener, foi como que a concretização de um sonho maior. Como tornar o meu diário público, com um infinito leque de desconhecidos. Pessoas que com a sua imparcialidade me ajudariam a resolver algumas questões pessoais e sociais, discutir temáticas nunca antes no mundo real por mim faladas. Pessoas que pelo menos me fariam ver a coisa de outra forma.

 

Daí, ter tomado a decisão de criar um blog anónimo.

 

Ter um blog anónimo, ainda que falando de nós, é uma lufada de ar fresco. Como disse em cima, é ter a possibilidade de partilhar aquilo que mais nos alegra ou apoquenta com pessoas que não nos conhecem, que não nos vão julgar. E mesmo que o façam, não interessa. Não será na nossa cara. Nem por pessoas que conhecemos diretamente e com quem lidamos todos os dias...

 

Este blog nunca foi 100% anónimo. Apesar de escondida tenho cara. Apesar de não enunciado sabem o meu nome. Sabem a minha idade, onde eu moro. Sabem aquilo que mais gosto de fazer e aquilo que não suporto. Sabem que sou uma moralista do pior. Sabem dos amores da minha vida, dos poucos amigos que tenho. Sabem que tenho baixa auto-estima e a mania de querer ser perfeita. Sabem que me desvalorizo constantemente. Sabem aquilo que é visível a todos e também aquilo que não é. E para pessoas conhecidas, soma-se um mais um e temos dois.

 

É então que esse anonimato acaba... O que se faz? Acaba-se com o blog? Desiste-se de falar sobre o melhor e o pior que enche a nossa vida? Deixam-se pessoas que nos lêem penduradas só porque temos medo que X ou Y saibam mais da nossa vida do que aquilo que é público?

 

Descobri que pessoas que fazem parte da minha realidade também fazem parte da minha virtualidade. Porque cometi um deslize meses atrás... Um print, onde me esqueci de desfocar a zona do link que vos traz aqui. De uma forma tão simples, tão básica. Achava eu que ninguém queria saber das minhas publicações... Percebi que sou afinal mais cobiçada que o esperado.

 

Que opção tenho agora? Desistir não será uma delas e torna-lo privado também não me parece assim tão bem. Mas... Não me sinto minimamente confortável com a situação. Se antes escrevia de livre espírito, tudo, exatamente como vinha à cabeça agora vou ter que pensar duas vezes. Vou ter que ponderar bem o que dizer e o que não. Vou perder a essência, porque a essência era ser livre. Ser livre com o adoçante que a vida me deu, já que não tenho hipótese de ser o açúcar na maior parte dos aspetos . Era a minha alternativa, o meu substituto e até isso me estão a tirar...

 

Venham daí!

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub