Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Sweetener

Ser feliz com adoçante!

Sweetener

Ser feliz com adoçante!

27
Nov19

Relembrar as bases

Hoje, que volto a ter um pouco do meu (precioso) tempo livre, venho contar o que tem sido a minha vida neste último mês. Além de ter feito anos há duas semanas, ter mudado de estágio (quero tanto contar-vos isto!) meti-me numa formação noturna.

 

Pois foi, inscrevi-me numa formação pós-laboral de francês - relações laborais. Senti necessidade de renovar/relembrar alguns conhecimentos. Ainda falo fluentemente, agora escrever, é que era um cabo dos trabalhos... E ontem, terminou essa formação, que me ocupou as últimas semanas, quase todos os dias das 19h30 às 23h. Conheci pessoas novas, a dinâmica da turma até foi boa e venho um bocadinho mais rica. Tenho que admitir que me desiludiu o facto de não ter sido feita uma seleção de conhecimentos. Havia ali pessoas que nem Bonjour sabiam dizer... Havia demasiada discrepância quanto aos conhecimentos de cada um. Isso fez com que de relações laborais, tenha aprendido muito pouco, mas não foi totalmente negativo.

 

E eis que, 50h depois, volto a ter os meus serões livres. Já não terei que me levantar de madrugada para ir ao ginásio e posso voltar a dormir o tempo que sei que o meu corpo necessita. Consequentemente, colocar tudo em dia - saber das vossas vidas e contar coisas. Precisam mesmo de saber o quão feliz a Sweetener está com este novo estágio! 

 

08
Nov19

(Re)Começar

Há decisões que por muito dolorosas que sejam, a determinada altura têm de ser tomadas. A que vos contei no início desta semana, foi uma delas. Creio que ninguém termina uma relação de ânimo leve. Há muitos fatores, muitos contras, muitos prós. A questão prende-se com ter a consciência para que lado a balança pende mais. E por muito assustador que o futuro possa parecer, temos que ter a coragem de nos colocar em primeiro lugar. 

 

Aqui, havia já uma casa, todo um projeto comum que eu acreditei ter pernas para andar. E tinha, poderia ter tido. Mas nunca estaria bem comigo mesma, nunca poderia olhar para o espelho e sentir o mesmo orgulho que sinto agora. Medo também, é claro mas principalmente orgulho.

 

Mostrei vontade de ficar com a casa e não vi essa vontade ser questionada. Demos tempo, para cada um se organizar da melhor maneira e seguirmos daqui em frente. Refugiei-me no local óbvio e tenho estado tão rodeada de amor. Mas, por muito bom e aconchegante que isso seja, a independência tem outro sabor. Estou assustada, repito e não nego. Assustada por eventualmente me vir a sentir só, cozinhar apenas para mim. Passar as refeições sozinha cheira-me vir a ser o meu calcanhar de Aquiles... Mas independência e vida adulta é isso mesmo, right?!

 

Já conversámos, definimos as contas e os valores a acertar e recebi ontem as chaves da agora, minha casa. A minha casa. Uau, sabe tão bem dizê-lo em voz alta. A vida (re)começa agora.

 

E como diz um gosto musical recente:

 

"Desculpa, eu tive de dar um passo atrás
Lembrar-me do que eu sou capaz
Tive de afastar-me primeiro 'pa amar o que eu tenho não me conformar "

 

E é tão isto! Não se conformem! Seja numa relação, seja num trabalho...

Lutem! Assusta, mas a longo prazo, valerá tanto a pena! Bom fim-de-semana! 

 

06
Nov19

Novamente o estágio

Bom, como disse aqui o estágio está a correr bem. A questão é que... Não é nada do que estava à espera - de longe! Não estou a fazer nada propriamente na área ou 'útil'.

 

Sou mais uma assistente pessoal do meu tutor que outra coisa. Ele pede-me para ir levantar roupa à lavandaria, para lhe realizar/terminar os cursos do Google (Sim, eu é que os estou a fazer...) e inclusive, já me disse que a minha função na agência é ele conseguir manter a porta aberta, uma vez que passa a vida na rua a angariar e ter reuniões com os clientes. Perspetivas de emprego não há, porque não estou disponível a trabalhar à comissão SEM um ordenado base.

 

Sei por colegas mais próximos, que também não estão assim tão bem servidos. Quase nenhum está a fazer o que seria suposto, aplicar os conhecimentos adquiridos. O que foi meu colega de mesa está no céu, a desenvolver aplicações e a fazer o que sabe de melhor. Já foi elogiado e estou tão feliz por ele. Há um potencial em bruto ali, acreditem. Outros, tornaram-se meio que bloggers, outros dividem-se entre o suposto e a organização/limpeza do espaço. Há quem como eu, esteja nos seguros mas está a resolver e tratar de sinistros. É uma festa. Parece-me que todos nós só queremos acabar os estágios para ter a certificação e procurar novas oportunidades.

 

Esta semana já fico com 25% do estágio feito. Já não falta tudo! E se não fizer nada de mais útil, venho trocar dois dedos de conversa convosco mais frequentemente! Boa semana! 

 

03
Nov19

Escolher ser (mais) feliz

Nos últimos meses tenho andado meia apagada por aqui. O fim das aulas do curso que estou a tirar, o início do estágio, tudo isto misturado com outros fatores, têm me impedido de viajar até aqui, de vos ler, saber da vossa vida e trocar ideias convosco. Têm sido semanas mais intensas que o habitual e no meio disto tudo, tenho vindo a acumular coisas e coisas para vos contar mas a gestão diária tem sido meio complicada e não me tem permito atualizar-vos.

 

Posto isto, hoje vou contar-vos a maior reviravolta que a minha vida deu: separei-me.

 

Foi uma decisão tomada com precaução e muito bem pensada. Chegámos à conclusão que não queríamos as mesmas coisas no futuro e ao invés de insistir em algo que não iria funcionar, optámos por colocar termo à nossa relação a tempo de conseguirmos ficar amigos.

 

Apesar de ter sido uma decisão mútua, eu estive mais determinada nesta mudança. Cheguei à conclusão que toda a gente sabe mas que eu teimava em não querer interiorizar: o amor só não chega. Por muito que se tente, por muitas pontas que se ate, assuntos que se esqueçam, a mágoa fica. E chega um dia que decidimos. Decidimos que vemos aquela pessoa como um amigo e não como um companheiro. Decidimos que queremos algo diferente do que aquilo que temos tido. Decidimos e aceitamos que não é uma derrota terminar uma relação longa mas sim um ato de coragem. Coragem para mudar, coragem para assumir que não se estava bem. Coragem para enfrentar todas as pessoas que vão falar, julgar e dizer "Mas pareciam tão felizes!". 

 

Eu decidi e escolhi ser (mais) feliz. E estou tão orgulhosa disso!