Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Sweetener

Ser feliz com adoçante!

Sweetener

Ser feliz com adoçante!

18
Mai17

Afinal ainda há pessoas honestas

Saí de casa para ir pagar uma fatura, e como não me apeteceu levar carteira, enfiei tudo para os bolsos. Dinheiro e telemóvel de um lado, chaves de casa e lenços do outro. Ia muito sossegada, já com o assunto resolvido, e tirei o telemóvel do bolso porque alguém me estava a ligar.

 

Entretanto, ouço berros...

 

- Oh menina, menina!

 

(Não deve ser para mim, penso eu e continuo na minha)

 

- Oh menina! Não o semeie que ele não nasce!

 

Quando meto as mãos ao bolso e dou conta, o Sr. já está a vir na minha direção, com uma nota de 10€ que eu deixei cair ao chão, aquando a retirada do telemóvel. Provavelmente, só daria conta quando chegasse a casa. Nunca saberia onde, quando nem se de facto os teria perdido!

 

Ainda há pessoas honestas, hã? 

 

03
Mai17

Sobre o tal processo de seleção

Como disse anteriormente, na sexta fui à minha primeira entrevista desde o regresso. Ao meu primeiro processo de seleção, uma coisa que nem sabia o que ser.

 

À hora marcada lá cheguei. Estavam três pessoas, comigo quatro. Candidatas, eram só três: uma senhora com os seus quarenta anos, eu e uma rapariga com provavelmente mais um ou dois anos que eu, que achou por bem levar a mãe a uma entrevista de emprego. Pouco depois, fomos chamadas para uma sala onde nos entregaram umas folhas com testes de lógica. O momento em que a orientadora sai, foi o momento em que o recreio começou. Uma a dizer que tinha mais que fazer, a outra a dizer que tinha voltado à primária, ambas a dizerem que não estavam para aquilo, e eu, que me tentava concentrar, interrompida por elas que me picavam a entrar na onda. Como nem a cara da folha levantei, desistiram de me puxar e continuaram a festa sozinhas. Até que a senhora volta e pergunta simpaticamente o que se está a passar. A mais nova, diz arrogantemente que tem mais que fazer e que quer ir à entrevista e - passo a citar - bazar daqui. A outra, diz que não é nada e baixa-se numa aparente tentativa de concluir o exercício. De três, passámos a duas.

 

Entretanto houve uma troca de testes e recebi um teste de personalidade, enquanto que a outra senhora recebeu mais um de cálculo. Mais uns resmungares mas lá se calou. A orientadora volta e pede-lhe que a acompanhe, coisa que ela faz, mas não sem antes me desejar boa sorte para a entrevista e sair sorridente. Poucos segundos depois, a responsável volta e dá me mais um teste de cálculo. E se eu vos disser que já não me lembrava do quanto gostava de matemática?! Foi uma delícia ter um cronómetro e problemas matemáticos para resolver!

 

Chegou a minha vez e percebi que ia ser entrevistada pela senhora que nos orientou a sessão toda. Foi tudo muito básico, quis saber todo o meu historial laboral, os motivos de entrada e saída de cada trabalho, defeitos e qualidades e do resto tudo um pouco. Entretanto disse que a vaga que tinham para me oferecer (que pelos vistos não foi a mesma para todas) era trocando por miúdos trabalho de escritório. Papéis, papéis e mais papéis - tudo o que sempre quis! 

 

Disseram que num prazo máximo de quinze dias seria chamada para a entrevista no verdadeiro contexto onde me seriam ditos horários, vencimentos e funções e que, quer positiva quer negativa, seria contactada com uma resposta.

 

No dia, vim cheia de espetativas. Agora, nem sei. Costuma dizer-se: que seja o que Deus quiser!

 

21
Abr17

Tratar da roupa

Hoje venho falar-vos de um dos mais banais trabalhos domésticos: a roupa.

 

Desde cedo que vejo a forma como a minha mãe coloca a roupa a lavar, desde separa-la por cores, à forma como a estende e ainda como a arruma. Nada disso me parecia uma tarefa de teor extraordinário, e muito menos uma tarefa difícil até ao dia em que saí e vi outras formas de tratar da roupa. Uau, afinal é preciso ciência. Ou será que é só inteligência...?

 

A minha mãe nunca se sentou comigo e me ensinou a pôr uma máquina a lavar, nem me disse como estender cuecas, meias ou camisolas. Aprendi a ver, e pelos vistos aprendi muito bem.

 

O primeiro processo é o da preparação da roupa. A parte pré-lavagem é mais importante do que aquilo que muita gente possa pensar. É isso que vai ajudar, em muito, a boa lavagem da roupa. Ora, colocar a roupa do direito ou do avesso, vai muito ao critério de cada pessoa. A minha mãe coloca a maioria do avesso porque diz que por dentro é que ela está suja, já eu, acredito que deveria ser do direito, porque foi essa parte que esteve em contacto com o exterior. O primeiro pau de dois bicos, portanto. Mas acho que temos as duas razão, tendo em consideração que aqui em casa, ninguém tem trabalhos muito sujos e que a roupa está 'limpa'. A questão aqui é... Ou de um lado ou do outro, mas nunca uma perna ou uma manga para cada lado! Ou como é isso?!

 

Depois da lavagem, vem o processo de estender. Uma coisa aparentemente tão fácil mas que afinal é imensamente difícil para tanta gente... Há quem sacuda a roupa, quem a endireite pelas costuras (quando é possível), quem deixe as meias direitinhas estando prontas a apanhar, dobrar e arrumar. E depois há quem estenda conforme saiu da máquina, toda enrodilhada, dobrada e mais que dobrada, vincada, torta, com uma perna para cada lado como foi colocada a lavar e etc. 

 

Será que é assim tão difícil de entender que, com pequeninas coisas, aparentes perdas de tempo, se pode poupar imenso trabalho quando à apanha, arrumação e dobragem? Não sou nenhuma mestra das tarefas domésticas. Nada disso, até porque a minha mãe é que põe a roupa a lavar na maioria das vezes. Mas apesar de não me terem ensinado diretamente, é quando confrontados com estas coisas que vemos quem levou a lição bem estudada de casa e quem não.

 

Um dia, um amigo da família disse que avaliava o caráter das pessoas pela forma como estendiam a roupa na rua. Aquilo pareceu-me tão preconceituoso e até ridículo, mas acreditam que hoje lhe dou imensa razão? Porque é, efetivamente verdade. A teoria comprova-se.

 

E vocês? Como estendem a roupa? Bom fim-de-semana! 

 

27
Mar17

A primeira vez que abasteci o carro

A primeira vez que isso aconteceu não foi ontem nem num tempo necessariamente recente mas ver acontecer aos outros aquilo que me aconteceu, fez-me soltar uma gargalhada e recordar todos os estados e momentos do pânico do dia em que me aconteceu a mim.

 

Corria o mês de Setembro quando precisei do carro da mamã para me deslocar ao trabalho. Ela advertiu-me sobre o combustível existente poder não ser suficiente para os quase 150km totais desta deslocação. O ponteiro estava no primeiro tracinho, 1/4, e achei que o dito levava bem 40€ de gasolina. Assim foi, já estacionada e pronta para abastecer o carro, visto que os trabalhadores estavam todos a atender alguém, lá tive que ir pegar na mangueira e fazer eu o trabalho. Marquei os 40€ e comecei a abastecer para o querido me poder levar ao destino sem interrupções.

 

Estávamos perto dos 30€ quando a mangueira me deu um puxão e parou. Não percebi porque é que aquilo tinha acontecido e voltando a puxar o que devia, continuei o meu serviço. 33€ outro puxão, 34€ igual. Hum, alguma coisa se passa, mas depois de olhar para todo o recinto das bombas de gasolina continuava a não haver ninguém disponível. Aperto novamente quando por volta dos 36€ a gasolina me começa a cair aos pés. Entrei em pânico total, não sabia o que fazer! A pessoa que estava atrás de mim para abastecer já estava a rir, os empregados das bombas continuavam ocupados e eu aflitíssima por aquilo ter acontecido! Corri para dentro do local de pagamento e quando chegou a minha vez lá disse o que tinha acontecido.

 

Com um grande sorriso de gozo a senhora lá me disse que não havia problema nenhum, para além de ter que pagar a gasolina vertida no chão. Voltei a questionar se não haveria problema, se o facto de ter vertido pelo carro abaixo não seria um perigo e ela ainda a rir, disse-me que não. Ok, respirei de alívio, paguei a quantia ridícula de 36,53€, entrei no carro como se nada tivesse acontecido e fui à minha vida, corada que nem um tomate pela burrice e vergonha passada.

 

Ontem enquanto a minha mãe atestava o carro vi acontecer o mesmo a um jovem rapaz na bomba do lado. Vi os mesmos sinais de pânico, vi-o a correr para o funcionário provavelmente a fazer as mesmas perguntas que eu. Senti a vontade de rir que a funcionária sentiu quando foi comigo, senti pena dele porque certamente também devia ser a primeira vez, e acredito que tal como eu, nunca mais vai abastecer o carro e vai esperar sempre que seja um funcionário a fazê-lo!

 

17
Mar17

Viver na Alemanha - o fim

Hoje é o meu último dia de trabalho. O penúltimo dia desta minha estadia na Alemanha (voo na madrugada de Domingo). Praticamente a chegar o fim de uma experiência com pouco mais de dois meses. Dois meses que foram tão longos mas ao mesmo tempo tão na medida certa.

 

Como em todas as experiências na vida, cresci. Um bocadinho como pessoa, bastante como mulher. Aprendi tanto mas ao mesmo tempo aprendi tão pouco... Experimentei sentimentos e sensações que sempre estiveram visíveis e eu recusei durante anos aceitar. Travei conflitos com coisas perfeitamente desnecessárias que estavam escondidas mas que eu quis procurar. Precisei de remexer no passado, lavar toda a roupa suja que tinha a lavar e sair de cabeça erguida.

 

Lamento a forma como vou, principalmente do trabalho. Custa-me, apesar de pouco tempo, o que fiz ao meu patrão. Aquele homem foi impecável comigo, em todos os sentidos. Deu-me férias quando não tinha direito a elas, esteve sempre disponível a ouvir-me e nunca se impôs a nenhuma das minhas decisões pessoais. Pintaram-me o homem como sendo o diabo, mas nunca eu tal vi. Quem mo pintou também não é santo, e nunca saberá o que é receber elogios pelo trabalho bem feito. (Isto porque ontem foram entregar-me a rescisão do contrato e entre muita conversa foi-me dita uma daquelas verdades incontestáveis que só se dizem quando são 100% verdadeiras porque nada se ganha em mentir. Foi-me dito que nunca aquela escola esteve tão bem limpa como durante os dois meses que eu ali trabalhei. Apesar de não ser o trabalho de sonho de uma rapariga de vinte e um anos, não posso deixar de me sentir orgulhosa e mais uma vez agradecer à maravilhosa mãe que tenho por todas as ferramentas que me deu na vida!)

 

Hoje é também dia de tratar da burocracia. Cancelar tudo o que respeita a legalização, ver se não deixo pontas soltas para depois o fisco não correr atrás de mim! Amanhã, é dia de fazer as malas e abastecer-me de tudo o que é doce para levar a quem me espera na outra ponta da Europa!

 

Respirar fundo e deixar a poeira assentar. Recomeçar, naquele que será sempre o meu país